Quem somos?

Somos um coletivo de mulheres da cidade de São Luiz do Paraitinga capaz de transformar cada peça em um poder pessoal. Utilizamos o artesanato como ferramenta para a conquista da independência financeira e o resgate da autoestima de cada uma delas.

 

COMO A APARAITINGA NASCEU?

A ideia da Aparaitinga surgiu em 2016, quando a Helena Bork Saad, fundadora da marca, passando suas férias no seu lugar favorito do mundo, São Luiz do Paraitinga, decidiu aprender a fazer crochê. Na sua casa em São Luiz, trabalhavam duas mulheres incríveis: a Sebastiana e a Vanessa, que tinham grandes habilidades com o artesanato. Assim, foram elas que introduziram a Helena ao encantador e criativo universo da arte com as mãos, sendo a primeira peça feita por Helena um lindo top de crochê que ela usaria no verão.

Não demorou para a Helena logo se apaixonar por essa arte e ver tamanho talento que essas mulheres tinham com o artesanato. Era algo surpreendente, que deveria ser reconhecido. No entanto, apesar do crochê ter seu lugar em São Luiz e o artesanato estar presente na paisagem da cidade, as oportunidades de trabalho para mulheres eram escassas em qualquer área. Em um café de um sábado a tarde com a Sê e a Vanessa, isso foi confirmado. Elas conversavam com a Helena sobre tais dificuldades e o desafio que era uma mulher ter sua própria renda na região, visto que, majoritariamente, tal tarefa era concebida ao homem da casa. 

Pronto! Era isso que a Helena precisava para logo pensar em como mudar esse cenário, em como dar liberdade para essas mulheres, em como torná-las independentes financeiramente, em como resgatar sua autoestima por meio do que elas faziam de melhor, com qualidade, apreço e amor: a arte do artesanato. Nasceu, então, a Aparaitinga: um coletivo de mulheres da zona rural da cidade de São Luiz do Paraitinga capaz de transformar cada peça em um poder pessoal. 

A partir disso, o coletivo foi criado. A Sê e a Van chamaram a Dani, que chamou a Kelly, que chamou a Sandra… E assim foi. A notícia se espalhou pela cidade pequena e, logo, mais mulheres foram aderindo ao projeto. Assim, elas começaram a desenvolver peças criadas pela Helena, que forneceria todos os materiais necessários para a produção e revenderia-as na plataforma online da marca, remunerando cada uma com o valor justo e merecido de seu trabalho. À medida que a marca foi crescendo, elas passaram a ter cursos semanais de artesanato para que todas desenvolvessem ainda mais suas habilidades: cada mulher, com suas diferentes expertises, passou a ensinar as outras e compartilhar seu conhecimento.

Hoje, somos 30 mulheres em busca de um sonho. Somos uma marca slow fashion, ou seja, nos opomos a qualquer tipo de trabalho escravo de marcas fast fashion. Valorizamos nossas mulheres, o trabalho artesanal, o investimento de tempo de cada uma em cada peça e, por isso, pagamos a elas o valor honesto e digno de cada produção. Assim, é importante que você, nossa (o) querida (o) cliente, saiba que é justamente porque é pago a cada artesã o valor justo do seu trabalho que o preço das peças eleva-se. 

A nossa marca sempre foi sobre ELAS, e assim será. Destarte, elas são as protagonistas dessa história, dignas do nosso respeito e admiração. Nosso papel é compartilhar com o mundo esses talentos extraordinários que, por muito tempo, passaram despercebidos. No entanto, hoje, representam a conquista da independência financeira e o resgate da autoestima de tantas mulheres que se encontravam desvalorizadas. Na Aparaitinga, cada peça conta uma história. Uma história de força, de renovo, de reinvenção, de recomeço. Faça parte disso também!